Tiros atingem ao menos 2 em manifestação contra Chávez

Por Venezuela Real - 7 de Noviembre, 2007, 19:54, Categoría: Prensa Internacional

O GLOBO ONLINE-BRASIL
07 noviembre, 2007

CARACAS - Ao menos nove estudantes ficaram feridos - dois deles baleados - na quarta-feira em confrontos na Universidade Central da Venezuela (UCV) quando retornavam de protestos contra a reforma constitucional proposta pelo presidente Hugo Chávez . Eles foram emboscados por um grupo de homens armados que usavam máscaras, identificados por testemunhas como integrantes de um grupo chavista. O ataque fez da principal universidade do país um cenário de batalha campal, com estudantes sendo alvo de tiros, pedras, gás lacrimogêneo.

O diretor da Defesa Civil, Antonio Rivero, disse à rede Globovisión no local dos incidentes que pelo menos duas pessoas foram baleadas. A TV mostrou homens encapuzados atirando objetos contra salas da universidade, e outras pessoas, aparentemente alunos, fugindo. No entanto, Rivero retificou que não houve mortos, como havia informado inicialmente, e afirmou que o estado dos feridos era estável.

Testemunhas disseram à Globovisión que os agressores dispararam pistolas e jogaram cilindros de gás lacrimogêneo. Uma testemunha no local disse que os transeuntes não sabiam dizer como a violência começou.

O caso aumenta a tensão que cerca a polêmica proposta de reforma constitucional que, segundo Chávez, reforçará sua reforma socialista. Opositores, no entanto, dizem que a medida aumentará a concentração de poder nas mãos do presidente.

Após os incidentes iniciais, supostos seguidores de Chávez percorreram a área de moto fazendo disparos para o alto, segundo a testemunha.

Um venezuelano coloca fogo numa barricada colocada na universidade - Reuters O vice-reitor da UCV, Edgar Narváez, disse que conversou com o vice-presidente do país, Jorge Rodríguez, com o prefeito Juan Barreto e com o ministro. Ele informou que não permitiu o ingresso das forças de segurança no campus. Opositores temem que o governo possa usar o episódio como pretexto para enviar soldados às universidades que, segundo a lei, estão fora dos limites das forças de segurança.

Rivero disse ainda que a prioridade da Defesa Civil era garantir que as pessoas não envolvidas no incidente pudessem sair da área com segurança.

A Globovisión, que costuma representar a voz da fraca oposição a Chávez, disse que o governo não deveria usar o incidente como pretexto para uma ocupação militar de campus universitários, o que seria uma violação à lei que lhes garante autonomia.








TOME NOTA
de la dirección del
Nuevo Portal Principal

www.venezuelareal.org

Más información ...

Calendario

<<   Noviembre 2007  >>
LMMiJVSD
      1 2 3 4
5 6 7 8 9 10 11
12 13 14 15 16 17 18
19 20 21 22 23 24 25
26 27 28 29 30   

Archivos

Suscríbete

Escribe tu email:

Delivered by FeedBurner

Sindicación

Alojado en
ZoomBlog